terça-feira, 11 de março de 2008

Procedência

Ouço um eco interno... ele ressoa três vezes, meu batimento descompassado.

Tum! Tum... tum... um...

Esse sentimento de procedência à morte, que me é tão comum, me faz ranger os dentes e sentir formigar minha cabeça deixando-a leve. O frio que corre do estômago aos pés, fazem que eu pare, tire a blusa e busque ar olhando para o sol. Preciso do calor.

Um sorriso, leito úmido e o corpo para sentir que algo foi provado antes de partir. Que entre suor e sorrisos me diga em seus olhos que vai se lembrar em seus sonhos e nos momentos de prazer solitários.

As mãos trêmulas buscam a garrafa na ansiedade de manterem-se calmas. Dois longos goles são o suficiente para deixar a cabeça leve e o sentimento da dormência que se permite sentir sem ser incômoda.

Sinto mais uma vez seu cheiro nas peças de roupas deixadas para trás. Digo que é a saudades que trás a dor no peito que não pára e deixo que o “formigar” de meu braço seja a lembrança de seu peso sobre ele ao acordar.

3 comentários:

...O mundo de Belle... disse...

Menino....q coisa hem....isso da até uma música, daquelas tipo Fagner sabe?...ta ai...descobri seu talendo....o de compositor.hehe
Ah...cuidado com o coração, melhor ele saudável, somos quebrados demais para tratar dele ;)

...O mundo de Belle... disse...

Ah....isso me lembrou que preciso atualizar meu blog.
Obrigada.

[angelica] disse...

pode parecer loucura,
mas, isso me lembrou (ou pareceu) uma punheta.

sabe dessas que mistura desamor e saudade?