sábado, 29 de março de 2008

Caleidoscópio

Entendi o que me disse essa noite. Durante as três horas em que resistíamos ao sono, a necessidade de querermos estar juntos e simplesmente a fuga de discutir o que prometemos não deixar estragar o que mais prezamos em nossa companhia.

- Estou apaixonada por você.

- Eu sei.

Um sorriso se tornou uma máscara fria em pouco segundos não foi? Queria te dar qualquer outra resposta mas isso seria mentir e eu só minto para quem amo.

Recusou que eu tocasse seu rosto para limpar suas lágrimas, me expulsou de um simples abraço e quis se vestir sozinha.

- Você vai se arrepender. Está impedindo-se de viver algo importante comigo por quem não te merece.

- Não é sobre mérito.

Caminha pelo quarto, olha com paciência a casa que visitou umas três vezes e ainda não está marcada com seu cheiro. Ela tenta sair, mas o pequeno corpo se curva e cai sobre o sofá cobrindo seu rosto com as mãos.

Imagino que ela queria ter tido mais alguns minutos de força. Talvez para chorar em seu carro, fora de minha casa, longe de meu olhar e do abraço inevitável em torno de si.

- Te quero como nunca desejei ninguém! Nunca fui tratada assim. Você tem que estar apaixonado por mim. Eu sei que está!

- Eu sou assim. Não consigo ser diferente com ninguém.

- Até com ela?

Beijo seu rosto, seu pescoço deixo que minha mão tire sua roupa enquanto me chama de cretino. Fazemos amor enquanto ela chora abraçada comigo, sinto o arranhar e desespero contra minha pele em seu orgasmo e suas lágrimas carregam seu cheiro em meu rosto enquanto ela me beija com sede.

- Dentro de mim. Por favor.

Nós terminamos, ela me abraça e se veste. Recolhe suas coisas, faz uma piada sobre uma espinha no meu nariz, usa meu perfume e come o último tomate seco que trouxe.

- Não me acompanhe até o carro. Não me acompanhe se não for para me pedir para dormir hoje e sempre aqui.

- Você é linda.

- E você um idiota.

Ela sai de madrugada e agora, pela primeira vez, sinto o seu cheiro em minha casa ao ponto de não me deixar dormir.

4 comentários:

mombasca disse...

"não deveríamos nunca provar o desejo de quem não irá nos desejar de volta. acho que desejo e paixão são a mesma coisa, no final".

Mah disse...

putz, zé...

[angelica] disse...

escrotidão de quem não é sincero (ou o é demais) ou previsibilidades de quem constrói uma represa de sentimentos para si?

Anônimo disse...

não acredito que escreveu isso... idiota