terça-feira, 1 de abril de 2008

Paradoxo

Saindo do banho, perfume, roupa separada e apenas terminando de fazer a barba para ir à festa. Se realmente o que me disseram for verdade, a noite de hoje será uma das melhores.

Estou terminando de fazer a parte debaixo da barba, ainda suja de espuma, surge um clarão acompanhado de um estrondoso som.

No meio da luz surge um senhor. Parece um mendigo, rosto marcado, de roupa gasta e um olhar de espanto encarando a mim e minha casa. E então sorri gritando com seus olhos amarelados.

- Sim! Exatamente como me lembro. Eu consegui!

- Hã... Que porra...

Ele me segura os braços com seus dedos magros e sujos. Me encara da cabeça aos pés e fica me tocando mais do que seria confortável.

- Sim. Jovem e lindo! Eu me lembro de quando era assim.

- Tira as mãos de mim, seu escroto! Como entrou na minha casa?

- Eu venho do futuro. Não tenho como te explicar o modo ou sequer dizer de quando exatamente, mas precisa acreditar em mim.

- Tudo bem, tudo bem. Seu hálito é insuportável, fique longe.

O velho anda para trás me admirando, como alguém que finalmente encontrou tudo que importava em sua vida. Ele mexe suas mãos excitadas e senta no vaso sanitário.

- Tem que acreditar em mim Rogério. Eu sou você daqui a alguns anos.

- O quê?

- Hoje a noite vai ter uma festa. Você vai conhecer uma mulher maravilhosa, incrível, a Deusa que sempre sonhou a que vai calar a boca de todos seus amigos e mulheres que conhece e virá a conhecer algum dia.

- Aham...

- Ela vai destruir sua vida. Depois de se envolver com ela nunca mais será capaz de ser você mesmo. Ela vai te consumir por completo, vai fazer que perca seu dinheiro, que pare de falar com seus amigos, que não encontre mais trabalho, vai perder sua família e sua vida. Ela vai te consumir até não sobrar nada de você.

Uma nova luz surge atrás dele e posso ouvir seus gritos, enquanto desaparece em meio à luz.

- Não importa o que aconteça. Não vá a esta festa hoje. Não saia de casa hoje! Não saia...

Termino de fazer minha barba, visto minha melhor roupa e escolho bem meu perfume. Olho para minha carteira, separo meus cartões e agradeço pela visita deste homem do futuro.

Quase esqueço a camisinha.

4 comentários:

Mah disse...

pessoal e intrasferível.

mombasca disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
mombasca disse...

se soubéssemos do futuro, deixaríamos de fazer as cagadas do passado? rsrs

[angelica] disse...

faríamos as mesmas cagadas, só que com um quê de consciência.