terça-feira, 27 de outubro de 2009

Nosso tempo

Somos criaturas covardes, estamos presos constantemente em duas instâncias que não deveriam nos atingir.

Temos medo pelo futuro. O pagar de contas, investir em alguém, do fracasso, hesitações, não ser bom o bastante, conseguir concluir seu curso a tempo, estar apto ao mercado de trabalho, ser demitido, crises que podem surgir, envelhecer e morrer.

Temos também medo do passado. O que não fizemos, falhar com seus pais, não estar a altura do que foi ensinado, escolhas erradas, pessoas que podem apontar suas falhas, erros, crenças, traumas, amores perdidos, paixões não existentes, livros não lidos, educação deturpada e nossas memórias.

Dificilmente estamos com nossos olhos fixos no presente. E essa falta de foco, essa permanência de olhar para trás ou sonhar com o amanhã é perder o único tempo que temos.

Um comentário:

dr. rodrigues disse...

zé, cadê as histórias do detetive? as crônicas semi-eróticas te caem melhor, não é por nada não.