terça-feira, 2 de fevereiro de 2010

Pizza dupla de R$ 1

Final de mês e decidi descer até o setor comercial para comer no Sesc, fiquei com preguiça de pegar um busão até a asa norte logo não iria almoçar no meu velho.

Quais são as opções de mortes lentas? PF de R$ 6,50 ou um mais arrumadinho de R$ 7,00... Opa, cheiro de pizza! Quanto é moça? Um real. Porra... um real? Não, tô fora deve ser uma merda. Vamos para o PF de 7 contos mesmo.

Tô ali lendo e comendo quando passa um senhor, com livros debaixo do braços, de talvez... O quê 50 anos? Olha para a capa do livro e solta: "Ah, Paris é uma festa! Esse livro é muito bom. Você precisa ler Por quem os sinos dobram é muito bom." Fico olhando para o senhor, ele está vestido de um terno estranho e velho, roupas puídas do PT e cheio de broches de estrelas vermelhas.

Comento que estou começando a ler Hemingway há menos de uma semana, que estou encantado, que ele escreve para caralho. Ele sorri, concorda, fala que o filho da puta descreve cenas como quem despe uma mulher. Enquanto fico tentando absorver a última frase ele sorri pega um pedaço de um sanduíche no canto da mesa e sai se despedindo.

Chamo ele até a mesa e pergunto se quer comer alguma coisa. Ele afirma que sim meio sem graça e então eu sugiro o PF. "Não, de jeito nenhum. O PF é muito caro. Vou pedir uma pizza ali, pode ser?". Pergunto de novo se ele quer o PF e ele simplesmente me corta comentando algo sobre ser importante, na minha idade, gastar comigo.

Come a pizza, conversamos um pouco mais sobre Ernest Hemingway e obviamente faço um comentário infeliz. Pergunto o que ele está achando do Lula como presidente. "É apenas uma blusa. Eles dão de graça no partido se você levar os bottons". Ele termina de comer, comenta mais uma vez sobre o livro que eu devo ler e se despede agradecido pelo almoço.

Não sei... Fiquei me sentindo um merda depois disso. Fico pensando no dinheiro que estou economizando, nas buscas pelos frelllas, pensando nas viagens que estou planejando e nos livros que eu gostaria de comprar. Vivo reclamando que a metade das coisas que eu desejo eu não faço, que me falta correr atrás, que estou me estagnando...

Pensei nesse senhor chamado Carlos, que saiu agradecido com seus livros puídos debaixo do braço. O que ele pensa? O que ele busca? Quem ele foi e o que ele pensa da própria vida hoje? Sei que ele sabe falar, leu bastante coisa e deixou meus pensamentos confusos no começo da tarde.

3 comentários:

BlackDragon disse...

gosto do seu blog^^

continue!!!

p.sse tiver tempo de um vista de olhos ao meu: http://sites.google.com/site/ubuntu7linux/

De: vida, Para : vida disse...

muito massa !!!

Fogoió disse...

Meus comentários eternos, VSF!