sexta-feira, 24 de junho de 2011

Sono

Percebi hoje que gosto de insônia.

Dormir pouco me deixa mais acordado. Eu perco uma sequência de barreiras que crio em meu dia e simplesmente estou nele. Nunca fui tão participante do que em minhas 24 horas despertas, acredito que existe uma verdade quando dizem que passamos 1/3 de nossas vidas dormindo. O que me surpreende mais é as horas que perdemos acordados.

Tudo é menos real. Voltar para casa em um ônibus passa em segundos quando você foca sua atenção as pessoas, sons, componentes e o balançar de algumas toneladas de metal que se tornou por alguns instantes todo seu interesse. Então você chega e desce para o caminho da sua casa.

Quebrei meus últimos tabus. Entendi finalmente todos os malditos motivos para o encucar da vida alheia, essa peste bubônica que deveria ser extirpada de todos nós. E a resposta é tão ridícula que me fez rir por poucos segundos, o mesmo que valeu essa epifania.

Anos de erros e uma vida que balança entre pagar contas e esconder a fome dos demais me deixou descrente para momentos bons. Eles existem é claro mas a duração é preocupante. Afinal, quanto posso amolecer e não estar preparado para o próximo soco?

Vinho, maconha, música, lendo um texto bom (muito melhor do que essa pocilga aqui escrita) e em instantes a pele da mulher certa...

Quando voltar a dormir e a insônia for só uma lembrança vou reler isso aqui e tentar lembrar, sem sucesso algum, o que senti.

Um comentário:

Sentimental ♥ disse...

eu gosto da insônia só pq ela é cia constante, se eu ficasse sozinha nas noites insones eu não iria gostar. rs